*** O QUE POUCOS SABEM E MUITOS DESCONHECEM - HÁ 5 ANOS CONTANDO LENDAS DO COTIDIANO DE NOVA VENÉCIA ***

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

A Mulher Que Virou Serpente

Francelina Cardoso Cunha era esposa de Matheus Gomes da Cunha, proprietário da Fazenda da Boa Esperança, local hoje conhecido como Serra de Cima, em Nova Venécia. Segundo a tradicional lenda, ela teria se transformado em serpente após a sua morte. O túmulo mostrado nesta foto foi identificado como sendo desta perversa senhora de escravos e ficava no antigo Cemitério da Fazenda, sob a guarda da Pedra do Elefante, que pode ser vista ao fundo. Infelizmente hoje está destruído e dele restam poucos vestígios. Mas será que a "serpente" foi derrotada?
Foto: Rogério Frigerio Piva, Março de 1993.


O texto que abaixo transcrevemos foi extraído, pelo jornalista Maciel de Aguiar, de um manuscrito intitulado “Caderno de Folclore” escrito por Lauro Santos.

Lauro Santos era descendente de escravos do Vale do Cricaré e foi entrevistado por Maciel de Aguiar entre Maio de 1980 e Julho de 1981. Era cantador e contador de “causos”. Histórias que ouviu na infância “quando os pretos velhos reuniam os meninos pra contar causos da escravidão”.

Com a palavra, Lauro Santos:

SERPENTE

"Chama de serpente, virada de pessoas do mal. Tanto é mal para o povo e mal também para Deus. Então estas pessoas quando morre, vira couro seco ou serpente. Uma criancinha de peito, às vezes ele está amamentando na mãe, que ele dá aqueles tapinhas no seio da mãe, a mãe tem que bater na mãozinha dele. Se isto não acontecer, quando morre, a mão que bater no seio da mãe a terra não come, o bracinho seca, principalmente pessoas velhas que usa a ruindade para pessoas, para com Deus, ele tem que virar uma coisa muito triste.

Como conta que na Serra de Cima, pra lá de Nova Venécia, quem vai para Colatina, no lugar denominado Fazenda Velha, houve um caso de uma mulher muito ruim. Ela e o marido dela eram donos de escravos. Quando os escravos estava trabalhando em farinhada, os que tinha filhos novinho, quando as crianças chorava, a patroa dela, que era mulher ruim, jogava o menino em baixo do forno. Era duas coisas que ela jogava as crianças em baixo do forno. Primeiro quando as mães estava trabalhando que as crianças chorava, segundo quando a patroa desconfiava que a criança era filho do marido dela. Porque às vezes as crianças saía com a cor mais clara um pouco do que os outros filhos. Então a patroa desconfiava e jogava a criança debaixo do forno.

Até quando eu era pequeno com a idade de 12 a 15 anos, eu via um estrondo lá pra cima de Nova Venécia, então eu perguntei aos meus pais o que era aquilo. Então eles respondia que era a serpente na Serra de Cima. E o povo ficava com medo dela sair e ela comer todo mundo, porque dizia que ela já estava com as unhas do lado de fora da cova. Passaram, houve uma inchente de sete anos. Como diz os mais velhos, o rio ficou de monte a monte, aí o bispo puxou ela pela inchente, jogou no mar.

Isso tem 50 anos, ainda diz que o bispo avisou todo mundo que morava na beira do rio que naquela noite não abrisse a porta, para que a resma do animal não deixasse mal horrível no povo.

Aí está o caso da serpente da Serra de Cima."

Fonte:

AGUIAR, Maciel de. LAURO E ROSALVO: Cantadores e Tocadores. Série História dos Vencidos. Caderno 20. Editora Brasil-Cultura: Centro Cultural Porto de São Mateus: São Mateus, 1996. pp. 29-30.

8 comentários:

  1. Meu professor me contou Essa SInistroo em MEnino!

    ResponderExcluir
  2. rhuan, só nóis comentamo aki ^^


    mó doidao essa história véi...

    ResponderExcluir
  3. Morávamos em São Domingos do Norte por volta de 1951. Lá apareceu o preto EUZÉBIO vindo de Nova Venécia à procura de serviço. Papai o aceitou. Como era bom de serviço o negro.
    Depois de algum tempo, ele disse que em Nova Venécia havia uma sepultura de uma mulher cujas unhas estavam brotando acima da terra. Nos convidou para irmos ver.

    ResponderExcluir
  4. Gostei da lenda!!!

    Olha, quando fui na APA e na Pedra do Elefante, senti que tinha algo diferente lá e concerteza era sobrenatural. Mas deve ser coisa boa, porque a essa experiência mudou meu modo de pensar...
    E acredito que os demais lugares também sejam sobrenaturais...

    Uma vez minha mãe me contou que quando ela era criança e morava na roça com meu bisavô apareceu um espírito em cima da casa-de-farinha, popularmente conhecido como "Preto Véi", quando o tio dela(que tinha acabado de sair de casa) viu o espírito, desmaiou, meu bisa saiu de lá para ajudá-lo e logo após a casa-de-farinha desabou.

    Estranho né!!

    ResponderExcluir
  5. Olá Rodrigo/Rogério! Parabéns pelas valiosas pesquisas sobre nosso municipio, informações priciosas para compor parte de nossa cultura italiana! Gostaria de fazer uma pergunta se possível, referente a Casa de Pedra! Após a volta do Sr Batista Perletti e seu filho para Italia para quem ficou a casa? Pois a casa ficou muito tempo abandonada e só nos ultimos anos a Prefeitura tombou como patrimônio histórico cultural!!!

    ResponderExcluir
  6. POR TER MORADO ALGUSN ANOS DA MINHA VIDA NAS PROXIMIDADES DO CASARÃOD DOS ESCRAVOS. OUVI MUITOS CAUSOS DOS MORADORES MAIS ANTIGOS E VIVENCIADOS MUITOS FATOS. SOU TESTEMUNHA VIVA DE ALGO QUE NINGUEM NUNCA CONSEGUIU ME EXPLICAR E EU NA ÉPOCA ACHAVA ENGRAÇADO E FAZIA PARTE DA MINHA ROTINA DIARIA, QUANDO NÃO ACONTECIA EU ESTRANHAVA. QUE EXISTE MUITOS MISTERIOS, ISSO EXISTE.

    ResponderExcluir
  7. Eu morei muitos anos naquela região, e como tinha que fazer aquele trajeto todos os dias, vivenciei muitos acontecimentos, não entendia, não me assustavam e quando não acontecia eu estranhava, mas tinha certeza que no dia seguia ia acontecer. Exixtem muitos misteriossssssssss.

    ResponderExcluir